01 julho 2019

Gabarito da prova de concurso valia R$ 10 mil, segundo delegados; secretário volta a descartar anulação

O gabarito da prova do concurso público para a Guarda Civil Municipal (GCM) de Petrolina valia R$ 10 mil. Esse foi um dos principais detalhes repassados pela delegada seccional Isabella Pessoa e o delegado responsável pela Operação Test Failed, Gregório Ribeiro, em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (1) na sede da Polícia Civil (PC). O secretário-executivo de Segurança Pública da prefeitura, José Silvestre, também participou.
A ação, realizada na tarde de ontem (30/06), impediu uma tentativa de fraude ao concurso. O esquema já vinha sendo monitorado pela PC, juntamente com o serviço de inteligência. O líder é um ex-sargento do Exército Brasileiro, Dionísio Felipe dos Santos Júnior. Ele também faz parte do quadro de funcionários do IF Sertão-PE.
O delegado Gregório Ribeiro que três candidatos presos em flagrante teriam comprado o gabarito da prova por R$ 10 mil ao professor Dionísio Felipe. Para realização do esquema, eles teriam que enviar fotos da prova para Dionísio, que responderia e enviaria as respostas por mensagem de texto.
O professor foi preso em casa, após enviar as respostas. O policial militar Jaílton Feitosa de Souza, que estaria ajudando o professor, também foi detido no local. O PM ainda quebrou o próprio celular na tentativa de eliminar possíveis provas. Durante a realização da prova, outras cinco pessoas também foram conduzidas à delegacia por esconderem aparelhos celulares. “Com a ação, a Polícia Civil garantiu para a sociedade lisura e credibilidade ao concurso e atuou para expurgar qualquer irregularidade que pudesse acontecer, com a prisão em flagrante dessas pessoas”, avaliou a delegada Isabella.
Concurso assegurado
Questionado sobre a possibilidade de anulação do exame, José Silvestre reiterou o que já havia dito ao Programa Carlos Britto, na Rural FM, de que a tentativa de fraude não prejudicou o exame. “As pessoas que receberam as mensagens não chegaram a preencher os cartões de respostas e já foram eliminadas do certame. A organização do concurso entende que não há necessidade de cancelar a prova, visto que não houve vazamento da avaliação e, até agora, não há indícios de que a tentativa de fraude tenha corrompido o exame”, pontuou. A Civil vai continuar investigando o caso.
Fonte: Blog Carlos Britto
Blog Bruno Brito
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

UNICESUMAR EAD AFRÂNIO






CONNECT VIAGENS E TURISMO






ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI











Tecnologia do Blogger.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

MESTRE SERVIÇOS






PARCEIRO






Cachoeira do Roberto 200 Anos

Cachoeira do Roberto 200 Anos

Instagram


Pesquise







Mais Acessadas

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI