03 maio 2020

Bolsonaro chama Moro de Judas e diz que ninguém dará um golpe em cima dele

Bolsonaro e Moro trocam farpas depois de ex-ministro expor ...
O presidente Jair Bolsonaro chamou nesse sábado (2) o ex-ministro Sergio Moro de “Judas” e afirmou a apoiadores na porta do Palácio do Alvorada que ninguém dará um golpe em seu governo. As informações são da Folha de S. Paulo.
Bolsonaro falou sobre golpe a simpatizantes que criticavam o STF (Supremo Tribunal Federal). “Ninguém vai fazer nada ao arrepio da Constituição, fiquem tranquilos. Ninguém vai querer dar um golpe em cima de mim, não, podem ficar tranquilos”, disse.
A declaração foi dada depois de um dos apoiadores citar o Supremo. “Fizemos vaquinha para vir aqui para te dar apoio para repudiar o que aquele Supremo Tribunal Federal está fazendo com o senhor”, afirmou um dos presentes.
Pouco depois, em rede social, o presidente publicou um vídeo sobre as suspeitas em relação ao mandante da facada que levou na campanha de 2018. “Os mandantes estão em Brasília?”, escreveu.
“O Judas, que hoje deporá, interferiu para que não se investigasse?”, disse Bolsonaro, citando o depoimento que Moro prestará neste sábado à Polícia Federal sobre as acusações que fez contra o presidente ao sair do governo. “Nada farei que não esteja de acordo com a Constituição. Mas também NÃO ADMITIREI que façam contra MIM e ao nosso Brasil passando por cima da mesma Constituição”, completou.
A informação divulgada na noite desta sexta-feira (1º) de que Moro prestará depoimento neste sábado, em Curitiba, elevou a tensão nas redes sociais bolsonaristas. A narrativa nessas redes sociais de aliados de Bolsonaro é de um golpe de Estado em curso arregimentado pelo STF, que nos últimos dias impôs uma série de derrotas a Bolsonaro, como a suspensão da posse de Alexandre Ramagem como novo diretor-geral da Polícia Federal e a derrubada das restrições à Lei de Acesso à Informação.
As hashtags #GolpedeEstado e #GolpedoSTF figuram entre os assuntos do momento no início da madrugada deste sábado, com mais de 250 mil tuítes somando as duas. A oitiva de Moro foi marcada após o ministro Celso de Mello, do STF, dar o prazo de cinco dias para a corporação ouvir o ex-ministro.
Moro deve detalhar as declarações dadas ao pedir demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, no último dia 24. Em entrevista à revista Veja, ele afirmou que tem provas para incriminar Bolsonaro e disse que as apresentaria à Justiça. O ex-ministro acusou o chefe do Executivo de tentar interferir na autonomia da PF para ter acesso a relatórios de inteligências e a investigações em curso, o que não é permitido.
Para isso, Bolsonaro queria exonerar Maurício Valeixo do comando da instituição, o que gerou o atrito com o então ministro Moro, e nomear alguém que tivesse relação direta.  Ao se despedir do governo, o ex-juiz da Lava Jato disse que o desejo do chefe do Executivo era indicar Alexandre Ramagem para o comando do órgão.
Ramagem foi chefe da segurança de Bolsonaro após ele ter sido eleito presidente, quando se aproximou da família se tornou amigo do vereador Carlos Bolsonaro, investigado pela PF sob suspeita de articular esquema de disseminação em massa de informações falsas.
Bolsonaro nomeou, de fato, Ramagem para o cargo. O ministro Alexandre de Moraes, do STF, no entanto, suspendeu a indicação por entender que não observava os princípios da impessoalidade e da moralidade pública. Além dos integrantes da PF, três procuradores da República acompanharão o depoimento.
Blog Bruno Brito
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

PREVENÇÃO AO COVID-19






UNICESUMAR EAD AFRÂNIO






CONNECT VIAGENS E TURISMO






ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI











Tecnologia do Blogger.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

MESTRE SERVIÇOS






PARCEIRO






Cachoeira do Roberto 200 Anos

Cachoeira do Roberto 200 Anos

Pesquise







Mais Acessadas

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI