27 agosto 2017

Os últimos meses de Temer

Vinicius Torres Freire – Folha de S.Paulo
Muitas cabeças rolaram para que fosse paga a conta dos votos que evitaram a decapitação de Michel Temer, a abertura do processo que o afastaria do cargo. Desafetos perdem cargos às dezenas. Vão-se anéis e dedos que em tese poderiam votar em alguma reforma da Previdência, hoje quase uma memória desbotada.
No entanto, há gente no Congresso e no governo que acha possível aprovar “alguma coisa” da mudança previdenciária a partir de outubro. O que seria essa coisa pouca? Idade mínima de aposentadoria e um tapa em servidores públicos.
O aumento do tempo de contribuição para 25 anos e todo o resto relevante iriam para o vinagre. Se sobrarem 40% da poupança estimada originalmente pela reforma do governo, será um milagre.
A prioridade, porém, é aprovar o pacote de agosto, as medidas desesperadas para evitar um buraco ainda maior nas contas do governo, e o pacotão privatizador, que pretende tapar o buraco na imagem do governo que se jactava do ajuste fiscal, que não veio, e da reforma essencial, a previdenciária, que vai indo.
Vai dar pé? Há refregas de geometria variada no Congresso.
PMDB e centrão pedem os cargos de ministros e agregados do PSDB, como se sabe. Querem ver na ponta da estaca em especial a cabeça de Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo), por vingança, e Bruno Araújo (Cidades), que administraria um fazendão de verbas restantes.
A mixórdia que se chama de reforma política causa mais disputas no governismo. PMDB e PP lideram o movimento pela aprovação do distritão, rechaçado por partidos pequenos e médios (em geral, o centrão), além da oposição.
Ao que parece, o PSDB pretende dar uma limpada na imagem fazendo campanha, ao menos da boca para fora, por uma reforma “responsável e prudente”. Ou seja, limitada ao fim das coligações em eleições proporcionais e a alguma cláusula de barreira, restrições igualmente rejeitadas pelos partidos menores.
O partido quer mudar de assunto, pois. Os tucanos concordaram que não vão rachar. Não oficialmente, claro, porque metade da bancada quer manter a boca no governo e a outra metade abomina Aécio Neves e Michel Temer quase tanto quanto o eleitorado brasileiro.
Apesar dessas e de outras refregas no Congresso, o governo está à beira de aprovar o fim paulatino dos juros subsidiados do BNDES (fim da TJLP) e, na prática, uma lipoaspiração duradoura do banco. Não é pouca coisa. O lobby da indústria nacional contra a medida era forte (que contava ainda com a oposição da capital de Patópolis, a Fiesp).
O governo então se animou com as perspectivas do pacote de remendão fiscal, que, no entanto, contém coisas intragáveis para o parlamentar padrão, como um bocadinho de impostos e um peteleco nos salários de servidores.
Até a penúltima semana de setembro, os parlamentares estarão cozinhando o angu de caroço da reforma política e sob pressão para aprovar os pacotes econômicos da liquidação de inverno de Temer. Ignora-se o novo tiro de flechas de Rodrigo Janot contra o presidente. Em outubro, a pauta estaria limpa para votar a Previdência.
O pessoal do governo acha que é uma ficção verossímil para os últimos meses úteis de Temer. Depois, é eleição.
Blog Bruno Brito
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

CONNECT VIAGENS E TURISMO






Broomer






ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI











Tecnologia do Blogger.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

MESTRE SERVIÇOS






PARCEIRO






Cachoeira do Roberto 200 Anos

Cachoeira do Roberto 200 Anos

Instagram


Pesquise







Mais Acessadas

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI