30 dezembro 2017

Temer teve ano de recuos para salvar governo

Folha de S.Paulo – Gustavo Uribe e Camila Mattoso – Marcos Corrêa/PR
No ano em que enfrentou denúncias de irregularidades e problemas de saúde, o presidente Michel Temer precisou rever diversas decisões para evitar embates públicos que pudessem enfraquecer ainda mais seu governo, aprovado por apenas 5% da população, segundo o Datafolha.
Sob pressão da opinião pública e da equipe presidencial, entre outras medidas ele revogou um decreto com impacto ambiental, não realizou reforma ministerial ampla como se esperava e desistiu da regra para afastamento de auxiliares investigados.
O próprio presidente defendeu, no ano passado, sua já notória atitude de recuar. “Quando houver equívoco, tem de rever a posição. Se o fizer, consertá-lo-ei”, disse.
REFORMA PARA INGLÊS VER
Em novembro, o presidente decidiu fazer uma reforma ministerial ampla, trocando os 17 auxiliares que serão candidatos em 2018. Com a insistência dos ministros para continuar no cargo até março, ele acabou não trocando nenhum. No período, Bruno Araújo e Antonio Imbassahy, do PSDB, e Ronaldo Nogueira, do PTB, deixaram o governo.
BIRUTA DE AEROPORTO
Sob o risco de ser afastado do cargo, caso não fosse barrada denúncia contra ele, o presidente havia desistido de participar do encontro do G20, na Alemanha. Com a acusação de que o governo estava paralisado, decidiu viajar para demonstrar normalidade. Houve agravamento da crise política e ele antecipou retorno ao Brasil.
TÔ DE MAL
Em queda de braço com Rodrigo Janot, o presidente havia afirmado a auxiliares diretos que indicaria um nome fora da lista tríplice para substituir o então procurador-geral da República. Com receio de que fosse acusado de interferir na Lava Jato, Temer desistiu e acabou nomeando Raquel Dodge, a segunda colocada.
DOIS PESOS, DUAS MEDIDAS
Como uma medida moralizante, o presidente anunciou que afastaria temporariamente ministros que fossem denunciados pela PGR (Procuradoria-Geral da República). Como ele próprio foi denunciado duas vezes posteriormente, desistiu da linha de corte.
MARCHA SOLDADO
Após protesto com episódios de vandalismo na Esplanada dos Ministérios, o presidente chegou a anunciar um decreto que autorizava a atuação das Forças Armadas nas ruas do Distrito Federal. No dia seguinte, no entanto, ele revogou a medida após ter recebido críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
O PODER DE GISELE
O presidente extinguiu reserva na região amazônica conhecida como Renca (Reserva Nacional do Cobre Associados). Sob críticas de entidades ambientais, ele publicou novo decreto, com mudanças. O recuo, contudo, não foi suficiente, o que o levou a rever a iniciativa. A modelo Gisele Bündchen foi uma das principais vozes contra o decreto e a primeira a ser informada pelo próprio presidente da desistência.
LIQUID PAPER
O presidente teve de fazer mudanças até mesmo em nomeação já publicada no “Diário Oficial”. A indicação feita pelo ministro Torquato Jardim (Justiça) para a Superintendência do Cade caiu em 15 dias. No meio do feriado de 7 de setembro, nova publicação anunciou a troca do escolhido por um nome ligado ao PP.
SER OU NÃO SER
O presidente havia decidido fazer uma posse conjunta dos ministros Alexandre Baldy (Cidades) e Carlos Marun (Governo). A informação chegou a ser publicada na rede social oficial do Planalto. O episódio, contudo, irritou o PSDB, o que fez o presidente desistir e esperar o pedido de demissão de Antonio Imbassahy para dar posse a Marun
ARREMETENDO EM VOO
O empresário Joesley Batista, da JBS, afirmou à Procuradoria que o presidente havia viajado em seu jato particular quando ele era vice-presidente, o que foi negado por Temer. No dia seguinte, no entanto, o presidente mudou a versão e reconheceu que utilizou a aeronave.
MUDANÇA DE RUMO
Com dificuldades de conseguir apoio, o presidente chegou a jogar a toalha sobre a aprovação da reforma previdenciária. Com uma forte reação negativa do mercado financeiro, Temer recuou e ressaltou que “jamais desistirá” da proposta.
LEI ÁUREA A SALVO
Em um agrado à bancada ruralista, o presidente editou portaria que flexibilizava a fiscalização de condições de trabalho análogas à escravidão. Sob críticas, pediu para que o Ministério do Trabalho alterasse a portaria, que foi republicada nesta sexta (29), com regras mais duras.
Blog Bruno Brito
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

CONNECT VIAGENS E TURISMO






Broomer






ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI











Tecnologia do Blogger.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

MESTRE SERVIÇOS






PARCEIRO






Cachoeira do Roberto 200 Anos

Cachoeira do Roberto 200 Anos

Instagram


Pesquise







Mais Acessadas

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI