04 setembro 2018

Haddad vai jogar com a 13

Petista tem posição confortável, mas precisa se mostrar viável contra Bolsonaro

Celso Rocha de Barros – Folha de S.Paulo
Fernando Haddad é o candidato do Partido dos Trabalhadores à Presidência do Brasil e Manuela D’Ávila é sua candidata a vice. A confirmação da substituição definitiva dos nomes na chapa petista deve vir nos próximos dias,  talvez nas próximas horas.
Todo mundo sabia que isso tudo aconteceria: você pode discordar das decisões de Moro e do TRF-4, mas, depois de elas terem sido tomadas,  a inabilitação de Lula era inevitável.
Os petistas têm o direito de reclamar da rapidez incomum da decisão, mas ela provavelmente os beneficia.
A estratégia de manter Lula na disputa enquanto fosse possível revelou-se um sucesso. O PT ainda pode perder, mas é muito difícil imaginar que lançar outro nome desde o início teria deixado o partido em posição melhor do que está.
Lula se despede das eleições tendo dado um nó tático em adversários e comentaristas como poucas vezes se viu.
Mas havia o risco real de esticar demais a corda de sua candidatura e deixar Haddad com pouco tempo para se afirmar como candidato. Insistir até agora com Lula foi um ato de protesto. Insistir até o fim seria um teatro idiota.
As chances de Haddad e Manuela são boas. Lula tem quase 40% das intenções de voto. Não há motivo para duvidar que entre um terço e metade desses votos se desloquem para Haddad já no primeiro turno.
Ciro Gomes e Marina Silva serão adversários formidáveis na disputa pelo eleitorado lulista, mas o apoio explícito de Lula é uma senhora vantagem. O PT é um partido mais estruturado do que o PDT ou a Rede. Terá apoio de governadores importantes, inclusive de direita.
E não é só isso: Haddad tem bem menos tempo de TV do que Alckmin, mas tem mais do que Ciro e Marina. Como mostra artigo dos cientistas políticos Felipe Borba e Emerson Cervi em 2017 na revista Opinião Pública, o efeito mais claro do horário de TV nas disputas presidenciais até hoje foi ajudar ultrapassagens entre candidatos oposicionistas. O horário eleitoral deve ajudar Alckmin, mas deve ajudar mais Haddad.
Haddad já entra em campo, portanto, como um dos favoritos para vencer a eleição presidencial.
Mas essa não é uma eleição normal. Para começo de conversa, estamos aqui discutindo o quanto um cara preso conseguirá transferir para um cara solto seu imenso favoritismo. E isso não é, nem de longe, o mais esquisito sobre a eleição.
O fator aberrante é Jair Bolsonaro.
Bolsonaro não é um candidato normal. Não é possível ter certeza de que aceitaria uma derrota eleitoral, ou de que  governaria democraticamente.
Blog Bruno Brito
Compartilhar:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Broomer






ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

PARCERIA
















Tecnologia do Blogger.

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

MESTRE SERVIÇOS






PARCEIRO






Cachoeira do Roberto 200 Anos

Cachoeira do Roberto 200 Anos

Instagram


Pesquise







Mais Acessadas

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI